Violência e morte dentro do lar 

Foto: FreePik

 

COLUNA

Sônia Zaramella

Relatos e fatos, pessoais ou não, do passado e do presente de Cuiabá e de Mato Grosso.

O assassinato de mulheres em razão do gênero da vítima, ou em violência doméstica, caiu em Mato Grosso, de janeiro a outubro deste ano, porém o botão de alerta permanece ativo contra esse crime hediondo, batizado de feminicídio. 

Na coluna de hoje, Sônia Zaramella mostra os números do feminicídio no estado, revelando a quantidade de mulheres mato-grossenses mortas por serem mulheres. Elas deixaram órfãos 60 crianças e adolescentes.

E chama a atenção para o “violentômetro”, conforme recomenda a delegada Jannira Laranjeira, do Plantão de Atendimento à Vítima de Violência Doméstica e Crimes Sexuais de Cuiabá.

Leia aqui a coluna na íntegra

 

Fogo chega até Transpantaneira e combate fica mais difícil

Um milhão de hectares no Pantanal foram destruídos de janeiro até agora em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, segundo o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais, da UFRJ. O número é três vezes maior que no ano passado inteiro e foi impulsionado pelo recorde de focos de incêndio no bioma neste mês de novembro. São 2.387 focos registrados até a última atualização, no dia 14.  A falta de chuva, as altas temperaturas e ventos fortes dificultam os trabalhos para apagar os incêndios, que se alastram facilmente por conta da vegetação seca. (G1)

Foto: José Medeiros

A  Transpantaneira, entre o município de Poconé e Porto Jofre, também foi atingida. ONGs que acompanham e integram as forças de combate afirmam que o fogo está fora de controle, há muita fumaça e muito vento na região. Na avaliação do SOS Pantanal, ficou ainda mais difícil o controle dos incêndios. (SOS Pantanal/Instagram) 

Mimoso – Moradores registraram vários focos de incêndio na MT 040, próximo ao rio Mutum, onde dizem que ainda não chegou socorro para apagar as chamas. Em outro ponto, entre Santo Antônio de Leverger e Barão de Melgaço, bombeiros e brigadistas combatem o fogo para que não atinja o Memorial Cândido Rondon. 

Após 30 dias, o governo estadual decretou estado de emergência. Ontem, anunciou um plano de trabalho integrado com o governo federal. O governador em exercício, Otaviano Pivetta, e o presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, sobrevoaram a região. Agostinho disse acreditar em uma “solução nos próximos dias”. (Secom MT)

 

Calor extremo coloca em risco a saúde e a economia do país

A exposição excessiva ao calor apresenta riscos à saúde e pode causar problemas como desidratação, tontura, náuseas, confusão mental, convulsões e, em casos extremos, até a morte. Os riscos, em geral, são maiores para idosos, crianças pequenas e pessoas com comorbidades.

O calor também pode impactar negativamente a qualidade de hortaliças, por exemplo, e reduzir os rendimentos de culturas, como soja, milho e algodão. (G1)

Gases de efeito estufa atingem novo recorde. Um estudo da Organização Meteorológica Mundial divulgado ontem revela que as médias globais de dióxido de carbono (CO2), o gás de efeito estufa mais abundante na Terra, ultrapassaram em mais de 50% os níveis da era pré-industrial. (G1)

TJMT –  As sessões da Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) marcadas para a segunda metade de novembro e para o mês de dezembro ocorrerão exclusivamente por videoconferência por causa da “atual situação climática de Cuiabá, que chega a registrar temperaturas de até 46ºC” (Gazeta Digital) 

UFMT –  Amanhã e depois estão suspensas as atividades presenciais nos campus de Cuiabá, Araguaia, Sinop e Várzea Grande da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), por causa das ondas de calor. Segundo a UFMT, a medida tem como objetivo preservar a saúde e o bem-estar  da comunidade acadêmica (G1)

 

Justiça reduz em 95% fiança de filho do governador de MT 

O desembargador federal do TRF-3, André Nekatschalow, negou o pedido de anulação das medidas cautelares impostas a Luís Antônio Taveira Mendes, filho do governador Mauro Mendes. Empresas que ele era sócio foram alvos da Operação Hermes II, que identificou uma extensa rede de comércio ilegal de mercúrio. Ficou mantido o recolhimento do passaporte, já o pagamento da fiança foi reduzido de 200 para 10 salários-mínimos.

A investigação aponta um prejuízo inicial de mais de R$ 5 bilhões aos cofres públicos e a PF solicitou o bloqueio de mais de R$ 2,9 bilhões dos investigados, com a apreensão de 605 kg de mercúrio durante a operação. (G1-MT)

Justiça proíbe Amaggi de fazer movimentações societárias

A juíza Olinda de Quadros Altomare, da 11ª Vara Cível de Cuiabá, acolheu um pedido de liminar da empresária Carina Maggi Martins e proibiu duas empresas do Grupo Amaggi de fazerem alterações em seus quadros societários. 

A decisão se deu em uma ação movida por Carina, que é filha reconhecida de André Antônio Maggi, patriarca da família Maggi morto em 2001, e valerá até a conclusão desse processo.

Carina entrou na Justiça reivindicando a nulidade de negócio jurídico com pedido de indenização e posse de cotas sociais em empresas do grupo, cuja fortuna é estimada em R$ 26 bilhões. Na decisão, a magistrada agendou audiência de conciliação para 8 de fevereiro de 2024. (Estadão)

 

MPE  pede que Paccola  seja levado a júri  

O vereador cassado de Cuiabá Marcos Paccola (Republicanos) deve ser levado a júri popular pelo crime de homicídio qualificado contra o policial penal Alexandre Miyagawa. Pedido nesse sentido foi feito à Justiça pelo Ministério Público de Mato Grosso. O caso aconteceu no dia 1º de julho de 2022, nesta capital. Miyagawa foi atingido por três disparos efetuados por Paccola, que é tenente-coronel da PM, durante uma confusão envolvendo a namorada da vítima, em frente a uma distribuidora. No pedido, o promotor de Justiça Samuel Frungilo afirmou que Paccola agiu “visando promoção pessoal e engajamento”, uma vez que era candidato ao cargo de deputado estadual. (MidiaNews)

Após 20 anos, área da Saúde fará concurso em MT 

A Fundação Getúlio Vargas foi contratada pela Secretaria de Saúde de Mato Grosso, pelo valor de R$ 2,5 milhões, para realizar um concurso para o setor, medida que não ocorre há 20 anos. O objetivo do concurso, cujo edital será lançado em breve, é selecionar profissionais para recompor o quadro de servidores efetivos da Secretaria. (MidiaNews)

Prefeitura de Rondonópolis revoga autorização para ferrovia 

O prefeito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio (PSDB), anulou a certidão que havia concedido à Rumo Logística para  implantação  da ferrovia na cidade. Segundo a prefeitura, sem este documento a empresa não poderá avançar na construção dos trilhos até Cuiabá. 

A medida atende ao pedido da população que mora nas proximidades da ferrovia e temia o impacto da obra. Pátio também alega que a Rumo apresentou um traçado diferente de quando solicitou a certidão para a obra. A Procuradoria do Município vai judicializar a decisão. (Olhar Direto)

 

Esposa de chefe de facção teve despesas pagas por ministério

O Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania confirmou que pagou as despesas de passagens e diárias para os participantes do encontro de comitês e mecanismos de prevenção e combate à tortura, inclusive para a advogada Luciane Barbosa Farias. Indicada como representante da sociedade civil pelo Comitê Estadual do Amazonas, Luciane é casada com Clemilson dos Santos Farias, apontado como chefe de uma facção criminosa no Amazonas. Ela já havia participado de outros eventos no Ministério da Justiça. 

Nesta quarta-feira (15), numa rede social, o ministro Silvio Almeida disse que “Luciane Barbosa Farias participou do evento indicada como representante da sociedade civil pelo Comitê Estadual do Amazonas. Que nem ele, nem a secretária nem qualquer pessoa do Gabinete teve contato com a indicada ou mesmo interferiram na organização do evento, que contou com mais de 70 pessoas do Brasil todo e que os comitês estaduais – que integram o sistema nacional de prevenção e combate à tortura, criado por lei em 2013 – indicaram livremente seus representantes”.(G1/O Globo)

 

Guerra Israel x Hamas

O Conselho de Segurança da ONU aprovou resolução propondo uma pausa no conflito, a criação de corredores humanitários e a proteção de crianças na Faixa de Gaza, assim como a liberação dos reféns israelenses tomados pelo Hamas e reparações de emergência em infraestruturas essenciais.

As Forças de Defesa de Israel invadiram o maior hospital da Faixa de Gaza, o Al-Shifa, na madrugada desta quarta-feira (15), noite de terça (14) no Brasil. Os militares dizem que o local era usado como base de comando pelo Hamas, o que o grupo extremista nega.

Os militares divulgaram imagens do que seriam centros de comando encontrados na ala invadida, além de armas, granadas e coletes balísticos apreendidos. 

Com os serviços essenciais colapsados, o primeiro caminhão com combustível entra em Gaza.

O número de mortos no conflito já passa de 12.900. (G1)

 

Economia

Usina Termelétrica de Cuiabá (MT) — Foto: Reprodução

Uso de térmicas até dezembro pode impactar preços da energia

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) prevê a necessidade de geração térmica adicional até dezembro deste ano para atender a momentos de pico de demanda de energia. Nesta semana, o consumo bateu dois recordes seguidos no Brasil, ficando acima de 100 MW pela primeira vez na história. Segundo o ONS, houve um aumento de 16,8% na demanda por energia desde os primeiros dias do mês de novembro, passando de 86,8 GW a 101,5 GW.

Por causa da onda de calor, há maior demanda por energia, com uso de ares-condicionados, ventiladores e outros eletrodomésticos, por exemplo. Com mais térmicas em funcionamento, os preços de energia tendem a subir. (O Globo/G1)

Governo revoga autorização para trabalho aos domingos e feriados 

O Ministério do Trabalho revogou a “autorização permanente” de trabalho aos domingos e feriados para algumas atividades, que vigorava desde 2021. A decisão foi criticada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Sem a autorização permanente, a abertura destes comércios aos domingos e feriados não ocorrerá “sem prévia autorização de convenção coletiva e aprovação de legislação municipal”. Segundo a Abras, a decisão do Ministério do Trabalho é um “cerco à manutenção e criação de empregos”. A entidade considerou a medida “um retrocesso à atividade econômica essencial de abastecimento exercida pelos supermercados”. (Infomoney)

 

Empresas aéreas vão apresentar plano para reduzir preço das passagens

O ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, informou que as empresas aéreas se comprometeram a apresentar, em até 10 dias, um plano para reduzir o preço das passagens aéreas. Costa Filho se reuniu na terça-feira com representantes das companhias Latam, Azul, Gol e VoePass, da Associação Brasileira das Empresas Aéreas e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para discutir o valor das passagens. Segundo os últimos dados da Anac, de agosto, o preço médio das tarifas é de R$ 649,17. (Estadão) 

Equipe de Haddad confia no cumprimento da meta de déficit zero

Depois de uma disputa com a Casa Civil, o Ministério da Fazenda, Fernando Haddad, conseguiu convencer o presidente Lula a manter na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) a meta fiscal de zerar o déficit das contas públicas em 2024. 

Pelo acerto, se for necessário alterar a meta, isso será feito em março do ano que vem, quando a Fazenda faz o seu primeiro relatório de receitas e despesas. (G1)

Foto: reprodução

Ex-funcionária de Neymar pede R$ 1,9 mi em indenização trabalhista

Uma ex-funcionária de Neymar está acusando o jogador de trabalhar além da jornada e sem folgas por quase dois anos, sete dias por semana, e sem direito a folgas ou férias. Ela exige 368 mil euros (R$1,94 milhão) de indenização do jogador, segundo informou o jornal Le Parisien. (G1)

 

Diversidade

Umbanda ganha adeptos em MT, apesar do preconceito

O Dia Nacional da Umbanda foi celebrado ontem. O objetivo da data é despertar a consciência para o respeito à diversidade e a influência da religião na cultura brasileira. Com divindades afro-brasileiras e ameríndias, a Umbanda é um símbolo de resistência e de herança religiosa e cultural de povos africanos e indígenas no Brasil. No entanto, seus adeptos enfrentam constantemente discriminação. O babalorixá Jupirandy de Odé afirma que tem percebido um aumento no número de adeptos ao culto em Mato Grosso. (Olhar Direto)